Subemprego no exterior ou carreira no Brasil: o que vale mais a pena?

São milhares de histórias de quem deixou o trabalho no Brasil, foi morar no exterior e arranjou um subemprego para se sustentar. Será que essas pessoas fizeram a escolha certa?

 

Ter um subemprego significa trabalhar informalmente e em posições que não necessitam de qualificação. A citar, serviços de limpeza, ajudantes de cozinha, Au pairs, ou atendentes, por exemplo. São trabalhos como qualquer outro e que ajudam muita gente a se sustentar, mas muitas vezes vistos com um certo preconceito.

Muitos brasileiros saem do país com o sonho de ganharem bons salários e terem uma vida tranquila e estável. Alguns deixam carreiras consolidadas e, ao chegarem no destino, têm de recorrer a subempregos por não conseguirem uma colocação na área em que se especializaram. Para alguns, é apenas uma forma temporária de sobreviver. Para outros, é a uma oportunidade de aprendizado e ressignificação.

Mas será que isso vale a pena? Vale lembrar que fora do Brasil um subemprego é melhor remunerado, mas o trabalho é igualmente pesado. Exige muito fisicamente e as horas extras são uma realidade para quase todos. É importante avaliar a sua predisposição para enfrentar essas tarefas e não correr o risco de uma decepção.

 

Compensa arriscar?

Quem imigra não está destinado apenas ao subemprego. Existem vários países que procuram brasileiros qualificados para áreas como Enfermagem e TI, principalmente. Mas os que não têm essa sorte a princípio, ingressam por outros caminhos para otimizarem a fluência na língua local ou mesmo fazerem contatos. Via de regra, as empresas priorizam os nativos na hora de contratarem para vagas melhores, digamos assim.

Leia mais: confira também opções de empregos para brasileiros no exterior.

Além disso, é possível encontrar vagas de Au Pair, por exemplo, com salários maiores ou iguais ao piso de profissões como jornalistas, professores, administrativos e técnicos comerciais. Como ponto a favor, o custo de vida nos destinos mais comuns dos brasileiros (Estados Unidos, Canadá e países da Europa) é menor ou tem remunerações que acompanham as despesas dos habitantes.

Porque os brasileiros são contratados

Os brasileiros são conhecidos pela multidisciplinaridade e facilidade de adaptação em diferentes meios. Por isso, é muito comum encontrar nossos conterrâneos em cozinhas, nas limpezas ou fazendo aqueles serviços que “ninguém quer fazer”. Em vários depoimentos, alguns dizem-se muito melhores assim.

Veja mais: 5 fatores que fazem os brasileiros se destacarem no exterior.
 

Nada de glamour

O subemprego nada tem a ver com aquele clima de glamour que pintam sobre morar no exterior, tem que ralar bastante. Quem pensa em emigrar e não está disposto a essas soluções, deve pensar muito bem. Os seus anos de estudo não irão pelo ralo e a situação pode ser temporária. Mas não espere chegar no estrangeiro e conseguir o emprego dos sonhos porque isso raramente acontece.

 

Salário mínimo atraente

Vale a pena ressaltar que os salários minimos de muitos países são mais atrativos do que o brasileiro. Veja abaixo uma lista feita com a cotação do dólar de janeiro de 2015 com os 11 maiores salários mínimos mensais do mundo.

 

1- Austrália: R$ 5.991,87

 

2- Luxemburgo: R$ 5.856,64

 

3- Nova Zelândia: R$ 5.044,48

 

4- Bélgica: R$ 4.754,08

 

5- Holanda: R$ 4.578,54

 

6- Irlanda: R$ 4.571,01

 

7- Germany: R$ 4.491,74

 

8- França R$ 4.406,53

 

9- Reino Unido: R$ 4.350,31

 

10- Islândia: R$ 4.063,68

 

11- EUA: R$ 3.297,10

 

Pisos saláriais no Brasil

Os dados abaixo são referentes a Janeiro de 2015. Separamos os pisos saláriais de 3 profissões regulamentadas e que precisam de nível superior para serem práticas. 
 

1- Professores: R$ 1.917,78
2- Engenheiro Pleno: R$ 6.630
3- Médicos: R$ 11.675,94

Então, vale à pena ou não? A resposta depende. Se você está aberto a novas possibilidades, quer entender de fato como funciona a dinâmica do novo país e não se importa de trabalhar em tais funções a experiência compensa. Para quem acha que uma carreira segura vale mais e não tem disposição para um trabalho pesado, o melhor é ficar onde está. Financeiramente, os subempregos têm remunerações justas e não há luxo. É ir fazendo o que se pode até encontrar algo melhor. Antes de fazer qualquer coisa, deve se perguntar: será que estou disposto?

 

Vendo o lado positivo

Já deixamos claro que a rotina de um subemprego é puxada e que o melhor é não fantasia muito. Mas é possível encarar essa etapa de forma positiva e transformá-la em algo muito mais agradável. Duvida? Pois confira as nossas dicas.

  • Tenha em mente que está fazendo algo temporário. Mantenha os seus objetivos em vista e não desista de alcançá-los. O subemprego pode ser um degrau necessário para uma outra função.

  • Aproveite para integrar-se mais, seja conhecendo pessoas ou melhorando o apescto linguístico. Trabalhar também é bacana para entender o funcionamento econômico do país.

  • Quem pretende retornar ao Brasil, pode voltar com uma boa bagagem cultural. Experiências no exterior sempre contam pontos a mais no currículo, mesmo que você não tenha trabalhado na sua área.

  • Ressignifique o seu cotidiano. Muito provavelmente você passará a dar valor a certas coisas que nem imaginaria.

  • Seja positivo. Não precisa sentir-se obrigado a amar o que está fazendo, mas já que topou, trabalhe com dedicação. Seu trabalho é o seu cartão de visitas, nesse caso.

 

Procurar vagas

Na busca por vagas no exterior é importante tentar encontrar oportunidades compatíveis com a sua área, mas nem sempre é possível. O Hintigo vai tentar te ajudar. Faça o cadastro e receba gratuitamente informações sobre vagas e carreiras no exterior.
 

 

Veja também:

Continuar a ler

Na Web

você pode gostar também

Comentários

Loading...