Heloísa von Ah
Heloísa von Ah
09 jun, 2017 - 12:00
exploração no trabalho

4 sinais de que você está sendo explorado no trabalho

Heloísa von Ah

Você tem fama de ser bonzinho? Então cuidado, pois você pode estar sendo – ou em vias de ser – explorado no trabalho. Conheça os sinais e saiba evita-los.

O artigo continua após o anúncio

Você é conhecido por ser “bonzinho”, prestativo, empenhado e uma série de elogios que, no fim das contas, acabam não te agregando em nada em ambiente corporativo, ou até mesmo te passando para trás? Então preste atenção, pois eficiência e profissionalismo de nada tem a ver com bajulação.

Ser uma pessoa gentil, disposta e “boazinha”, por assim dizer, é, sim, algo positivo pois, mesmo que este seja um profissional mais propenso a ser explorado, possivelmente ele é mais querido dentro da empresa do que o colega que está sempre de cara amarrada.

Portanto, se quiser continuar mantendo esse seu perfil gente boa, aí vai uma dica: sempre que for fazer um favor ou resolver algo de graça, peça sutilmente por algo em troca. Vale até insinuar em tom de brincadeira, soltando um “você me deve uma, hein?”. Assim você desfaz a imagem de “capacho” e começa a expor e impor o seu lugar dentro da empresa, sem perder a gentileza.

Pedir demissão ou esperar ser demitido? Veja o que é melhor

1. Dá pra chegar mais cedo? E ficar até mais tarde?

Você provavelmente já deve ter ouvido uma ou ambas as perguntas do seu superior, mas qual a frequência em que elas lhe são dirigidas? Se a resposta é constantemente, considere-se possivelmente explorado no trabalho.

Durante determinados meses do ano, ou em ocasiões especiais, é comum acontecer de alguns funcionários-chave precisarem ficar até mais tarde ou terem de chegar mais cedo na empresa para resolverem determinadas questões.

Entretanto, se essas condições não se aplicam, e realmente não há motivo para tais solicitações, fique atento caso você seja o único, ou um dos poucos, a realizar horários alternativos ao expediente.

Hora extra deve ser uma exceção, e não regra. Portanto, não tenha medo de se impor quando achar necessário. Se julgar esse período excedente fora de contexto, aja com profissionalismo e não sinta-se mal em dizer que não poderá cumprir com tais solicitações nos moldes em que foram colocadas.

O artigo continua após o anúncio

2. Levando trabalho para casa…

Tão ruim quanto ficar até mais tarde na empresa, é ter de levar trabalho para casa. Novamente, é possível que alguns cargos específicos tenham de desempenhar suas funções após o expediente em determinadas datas ou para concluir projetos eventuais.

Entretanto, seja para realizar favores, concluir tarefas que não competem à você ou que poderiam facilmente ser finalizadas em horário laboral, se você é constantemente solicitado para levar trabalho para casa, fique de olho!

Encontre argumentos para contestar a exploração e, com profissionalismo, diga que não será possível continuar com essa jornada após o expediente.

É a favor da flexibilização do horário de trabalho? Entenda

3. Você erra, é repreendido, mas ninguém te ensina

Comumente vivenciado por estagiários, este é um claro cenário de exploração. Principalmente para quem é recém chegado na empresa ou não possui muita experiência no setor de atuação, é possível que aconteça uma espécie de “complô” em torno do novato.

Diante dessa situação, o profissional se vê desamparado, e sempre que tenta resolver algo por conta é repreendido sem sequer ser orientado sobre o certo a se fazer.

O ciclo se repete e, ao invés de receber auxílio, este é um funcionário que trabalha com inúmeras situações de tentativa e erro, até passar a entender o funcionamento da empresa por conta própria – e até lá, ganhou alguns “inimigos” que deverão explorar sua posição de iniciante até que consiga completar alguns anos de casa.

Como saber se o seu salário está compatível com o mercado

O artigo continua após o anúncio

4. Resolve problemas que não os seus

Contextualizando claramente o conceito de ser bonzinho, resolver problemas que não os seus somente para se mostrar uma pessoa gentil e prestativa pode te colocar em uma roubada. Afinal, enquanto alguns entenderão a sua boa vontade e agradecerão o favor, outros seguirão o ditado “se lhe dá a mão, quer o braço”.

Lembre-se que nem todas as pessoas são éticas e tomam da fórmula do bom senso, e uma vez cientes da sua índole em ajudar sem pedir nada em troca podem te explorar até a última gota.

Quais são as principais doenças adquiridas no trabalho