Entenda como funciona um refinanciamento de imóvel

Diante de um financiamento com altos juros e parcelas, veja como fazer um refinanciamento de imóvel de maneira facilitada para não abrir mão de seus bens.

A crise política e econômica atual preocupa o mercado imobiliário e, principalmente, os que procuram acesso à créditos. As dificuldades na aprovação do mesmo com a rigidez das instituições financeiras se agravam com taxas de juros inacessíveis para muitos que pleiteiam um financiamento. Neste caso, o refinanciamento de imóvel pode ser uma luz ao fim do túnel.

Como a garantia oferecida a essa modalidade de empréstimo se trata de um imóvel, os juros praticados são inferiores a maioria dos créditos pessoais disponíveis no mercado. Os prazos para pagamento também são maiores, sendo assim possível quitar o antigo débito realizando um novo financiamento em condições mais atrativas.

Consórcio imobiliário vale a pena? Veja os prós e contras

Como funciona um refinanciamento de imóvel

O funcionamento de um refinanciamento de imóvel é simples, consistindo em um empréstimo onde é oferecido como garantia um bem (como terrenos ou imóveis). O valor que pode ser refinanciado deve corresponder até cerca de 60% do bem imóvel avaliado.

Em compensação, a segurança que o alienamento do imóvel oferece faz com que a instituição financeira cobre juros em valores bem mais vantajosos ao cliente em fase ne renegociação. O prazo para quitação da dívida também é facilitado, podendo este ser de até 300 meses.

Quem se interessar pela modalidade de empréstimo pode solicitar simulações em diversas instituições financeiras a fim de conseguir as melhores condições. O cliente deverá apresentar documentos que comprovem sua renda, a qual irá passar pela análise de crédito da instituição, bem como uma análise jurídica, onde se verifica qualquer pendência judicial ou irregularidade na documentação do imóvel oferecido com garantia. Juntamente a essa análise jurídica será feita uma avaliação do imóvel a fim de determinar seu valor real. Baseado neste processo de avaliações é que se determina o crédito e as taxas de juros liberadas ao cliente.

Prazos e Restrições

No caso de estar tudo regulamentado e do cliente concordar com as condições oferecidas, é realizado a celebração de um contrato de financiamento com registro em cartório e a liberação do dinheiro. O processo total é rápido e costuma levar cerca de 45 dias.

Entretanto, para que o cliente e o imóvel oferecido sejam aprovados e tenham o crédito liberado é necessário atender alguns requisitos simples, como não ter nenhuma espécie de restrição em seu cadastro no SPC/Serasa e comprovar que o imóvel esteja em nome do cliente e em condições de ser habitado.

A grande vantagem desse refinanciamento de imóvel é que se pode usá-lo para quitação de um financiamento anterior, no qual haviam taxas de juros mais altas ou usar o capital levantado para investimentos diversos.

Quais empresas fazem?

Diversas instituições financeiras como o Itaú, Bradesco, Santander, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal ofertam essa modalidade de linha de crédito para refinanciamento de imóvel. A taxa média de juros aplicada por eles é de 1,44% ao mês, mais a correção monetária. Lembrando que as taxas do contrato variam de acordo com a simulação realizada e situação apresentada pelo requisitante.

É importante verificar também as condições individuais de cada instituição; o Itaú, por exemplo, pede que o solicitante seja cliente Personnalité para ter acessos ao crédito, já o Bradesco oferece 120 meses como o prazo padrão para quitação da dívida.

Continuar a ler

Na Web

Comentários

Loading...