Brasil tem o quarto Big Mac mais caro do mundo

O índice Big Mac serve de parâmetro para avaliar a paridade do poder de compra de diferentes moedas. De acordo com este índice, o real é a 4ª moeda mais valorizada. Entenda o que o Índice Big Mac pode mostrar sobre a nossa economia.

 

De acordo com o levantamento do Índice Big Mac, realizado pela revista The Econimist, o real é a 4ª moeda mais cara do mundo. A partir deste índice, é possível avaliar a valorização do real em relação ao dólar e a outras moedas.

Segundo o ranking mais recente, o Brasil tem o 4º Big Mac mais caro do mundo. O preço do sanduíche no país é equivalente a US$5,21 dólares. Nos Estados Unidos o Big Mac custa US$4,79. O índice mostra que a moeda brasileira teve uma valorização de 8,7% em relação ao dólar.
 

 

Entenda o Índice Big Mac

O índice Big Mac foi criado em 1986 pelo jornal The Economist, e estableceu um parâmetro para avaliar a paridade do poder de compra em países com diferentes moedas, tendo como referência o dólar americano. 

 

O Big Mac é um sanduíche da rede de fast food McDonald's, presente em quase todo o mundo, e que utiliza sempre os mesmos ingredientes para ser preparado, (com excepção da Índia, onde a carne de vaca é trocada pela de frango). Isto quer dizer que deveria ter o mesmo preço em todo o mundo, se houvesse paridade no mercado de câmbio. Ou seja, de acordo com o conceito do indicador, deveria ser possível comprar a mesma quantidade de bens em qualquer lugar com a mesma quantidade de dólares.

 

O valor do sanduíche nos EUA é o parâmetro. Ou seja, se o Big Mac é mais caro em outra moeda, significa que esta moeda está mais valorizada que o dólar.  Mas o fato do Brasil ter hoje a 4ª moeda mais valorizada, de acordo com o índice Big Mac, não se reflete nos índices da inflação e nem das taxas básicas de juros, que continuam a subir. Fatores muito importantes para a economia.

 

Continuar a ler

Na Web

você pode gostar também

Comentários

Loading...