Heloísa von Ah
Heloísa von Ah
11 abr, 2017 - 12:37
profissões que mais perderam status

As profissões que mais perderam status nos últimos anos

Heloísa von Ah

Advogados e médicos de família são algumas das profissões que mais perderam status nos últimos anos. Confira a lista e saiba se a sua carreira está em risco.

Há muito tempo que o progresso vem cobrindo a poeira da estrada. Profissões antes renomadas e tradicionais agora são substituídas por profissionais de tecnologia e demandas de tempos atuais, fazendo com que muitos tenham de se atualizar ou mudar de carreira após anos de experiência no ramo inicial.

De acordo com recente levantamento realizado pela Foundation for Young Australians, mesmo diante de uma série de profissões que perderam ou estão em vias de perder seus status no mercado, cerca de 60% dos jovens estão em busca de carreiras que se tornarão obsoletas devido aos avanços tecnológicos.

Em preocupante apontamento, esses jovens serão radicalmente afetados pela automação que ocorrerá dentro de 10 a 15 anos.

Em adição, ainda em 2016, relatório fornecido por professores da Universidade de Oxford descobriram que dentro dos próximos 20 anos, um terço de todos os empregos do Reino Unido se tornará obsoleto por conta da robótica.

Os empregos mais estressantes do Brasil

As profissões que mais perderam status

Além dos 60% de jovens em vias de ingressar em uma universidade, 70% dos jovens que já estão inseridos no mercado estão em profissões prestes a ser radicalmente afetadas pela automatização.

De acordo com o portal americano MarketWatch, esse levantamento procede, e algumas profissões antes fundamentais para a sociedade, hoje sofrem depreciação nos salários e podem ser extintas em algumas poucas dezenas de anos.

Advogados

Advogado

Você provavelmente conhece mais de uma pessoa que se formou em Direito mas não exerce a profissão, certo? Isso é porque este é um dos cursos que mais forma brasileiros, fazendo com que a demanda seja maior que a procura.

Outro fator que envolve a faculdade de Direito está no custo de se manter por lá – provavelmente seu salário após a formatura não será suficiente para compensar os gastos que teve durante os 4 ou 5 anos de curso.

As dificuldades também se estendem ao mercado norte-americano, que viu o número de graduados na área cair pelo sexto ano consecutivo, um aumento ligeiro em desempregados e uma queda de 13% no salário. Se antes a profissão podia te deixar rico, hoje é melhor pensar duas vezes.

Professores

E pensar que você quis ser professor quando criança… Hoje, já nem é preciso tantas justificativas para dizer por que a profissão é um das mais desvalorizadas dos últimos anos.

Ausente de muitas boas cabeças, são cada vez menores o número de professores pós-graduados nas escolas – tanto pelo custo dos colégios em mantê-los quanto pela falta de interesse e motivação dos mesmos na profissão de docente.

Nos últimos 30 anos, só vem caindo o número de professores titulares, enquanto aumentam o número de eventuais. Para o futuro, professores ainda têm uma saída, uma vez que professores freelancers terão espaço entre demandas específicas, oferecendo suporte no ensino à distância.

Corretor de ações

Foi-se o tempo em que a profissão era sinônimo de lucratividade e prestígio. Ok, ela ainda pode ser lucrativa, mas menos prestigiosa e correta devido a um mercado em crise e o aumento constante de tecnologias capazes de fazer esse trabalho – como é o caso do homebroker.

Os ganhos são bons, mas já não fazem mais nenhum profissional rico atualmente. Em adição, ela tornou uma profissão que, para especialistas, é como se você precisasse provar para alguém de que é honesto e ético.

Os cursos de graduação mais promissores do mercado

Médicos de família

Médico de família

Enquanto alguns médicos fazem verdadeiras fortunas, como ortopedistas, os médicos de família ficam entre os menores salários da categoria. Com isso, entramos num porém muito semelhante aos advogados, e aqueles que cursam faculdades particulares dificilmente conseguirão quitar esse investimento em pouco tempo de atuação na profissão.

O curso ainda é o mais difícil de entrar, levam-se muitos anos para concluir e possivelmente como médico da família o profissional ainda se verá praticamente obrigado a trabalhar no SUS.

Agentes de viagem

Exceto para os mais desconfiados ou que buscam por pacotes seguros, a internet tirou em muito o foco das agências de viagem. Agora, bastam breves pesquisas até que nós mesmos possamos montar roteiros inteiros de viagem, comprar passagens aéreas com ótimos preços, reservar os melhores hoteis – tudo personalizado, do nosso jeito.

De acordo com previsões do órgão americano Bureau of Labour Statistics, entre os anos de 2012 e 2022, o número destes profissionais será reduzido em 12%.

Outras profissões

Também entre os que foram prejudicados pelos avanços em computação estão os trabalhos de secretariado e administração. Acredita-se também que empregos nas áreas de seguros e trabalhos manuais também correm riscos significativos de serem automatizados.

E tratem de se preparar também os jornalistas, redatores, tradutores e demais profissões de comunicação e linguística, pois as máquinas já são programadas para reconhecer padrões, decifrar comunicações, criar hipóteses e implementar soluções. E agora, também são capazes de redigir notícias, traduzir expressões e até mesmo metáforas, com precisão e em pouco tempo.