Como morar na Europa para estudar e trabalhar

Quer viver uma experiência nova de trabalho e estudo e decidiu morar na Europa? Veja quais são os passos que deve dar a seguir.

Morar na Europa, seja para estudar ou trabalhar, é o sonho de muitos brasileiros. Embora seja um percurso cheio de burocracia, não é um bicho de sete cabeças. A mudança pode levar algum tempo, mas pode ser uma das melhores escolhas que você fará. Para auxiliar nessa decisão, montamos um guia para lhe ajudar a se organizar e concretizar esse desejo de mudar para a Europa em 2017.

Morar na Europa passo a passo

Decidir morar na Europa para estudar e trabalhar é um passo importante na vida, mas esta decisão é a penas o primeiro passo de muitos outros que devem vir a seguir, até esse desejo se concretizar. Dependendo do país da Europa para onde você pretende ir, as exigências para residir e trabalhar podem ser diferentes. Entre os países que fazem parte da união européia, os requisitos serão mais ou menos os mesmos. 

1. Escolher o destino

Primeiro, você precisa fazer uma lista com os possíveis lugares que você gostaria de morar. Leve em consideração clima, custo de vida, moeda e idioma falado na hora de montar a sua short list. Em seguida, comece a pesquisar as questões burocráticas e pesquisa sobre o mercado de trabalho na sua área ou numa área que você esteja disposto a trabalhar. Lembre-se, a escolha do destino deve estar de acordo com as suas condições financeiras, não embarque para o exterior sem ter um pé de meia ao menos para ficar os primeiros seis meses sem trabalhar.
Veja os melhores países da Europa para trabalhar

2. Preparar a documentação

Para visitar a Europa não é preciso nenhum tipo de visto, apenas um passaporte brasileiro válido, que permitirá que você ande por quase todos os países sem problema nenhum (em cada país há um limite máximo de 90 dias, sem que seja necessário pedido de visto). Porém, para morar na Europa são "outros quinhentos". Para ser um residente legal da União Europeia você precisa ter dupla cidadania (uma delas europeia) ou ter um visto com  permissão de residência, seja para estudar, trabalhar ou ambos. Cada país tem suas próprias regras quanto a emissão do visto, então verifique no site dos consulados quais são os requisitos e documentos necessários para solicitá-lo antes da viagem. 
Veja as melhores universidade para fazer intercâmbio na Europa

Se você não tem dupla cidadania euorpeia, não arrisque viajar com visto de turista contando que ao chegar ao destino conseguirá o visto de residência, seja como estudante ou trabalhador. Saia do Brasil com a sua situação já regular e tudo será muito mais simples. Você tem como opções morar na Europa para fazer um intercâmbio, seja de idiomas, graduação ou pós-graduação, fazer um curso de graduação ou pós completo, ou ainda ir com contrato de trabalho.

Em todo caso, antes de sair do Brasil, procure uma instituição de ensino para lhe acolher, faça a candidatura e com o aceite da instituição em mãos peça o seu visto de estudante. 

No caso do visto de trabalho, geralmente exige-se um contrato de trabalho ou promessa de contrato de trabalho. Mas as condições podem de acordo com o país.
Veja como conseguir visto de trabalho para Europa

3. Estimar gastos

Inicialmente você gastará com passaporte, vistos, seguro de saúde, passagens, bagagens e reservas de hospedagem para os primeiros 30 dias, até conseguir uma residência permanente. O valor dos documentos também variam de acordo com o país, e os seus custos de mudança vão variar tendo em vista o destino e a bagagem que vai levar. Mas leve estes aspectos em conta para fazer a sua pesquisa de custos e gastos para morar na Europa. 
Entenda o que é o seguro de saúde PB4

Considere também que nos primeiros 3 meses você terá gastos mais elevados do que terá depois de já instalado, pois deverá pagar caução de aluguel, fazer contratos de serviços, comprar utensílios domésticos e etc. Por isso, tenha uma reserva financeira para os primeiros meses.

Para fazer os cálculos dos seus gastos mensais no país de destino, o site Expatistan pode ajudar. Insira a sua cidade de destino e a atual e terá um comparativo entre as duas. Calcule os gastos como hospedagem, transporte, lazer, cursos, alimentação e tenha uma reserva de emergência. 

 

É permitido trabalhar e estudar ao mesmo tempo?

É permitido, desde que o residente tenha permissão tanto para estudar e trabalhar. Em princípio, será menos burocrático conseguir um visto de estudo. Depois de chegar ao seu destino e se instalar, pode começar a procurar emprego e caso a empresa esteja disposta a lhe contratar, pode lhe dar uma promessa de contrato de trabalho. Com este documento, você pode pedir alteração do seu visto de residência.

Alguns como Portugal e França permitem que estudantes de graduação, mestrado ou doutorado trabalhem em meio período ou integral. Outros como Inglaterra e Alemanha não permitem que estudantes trabalhem em período integral. Pesquise com o consulado e site do país quais são as regras e vistos necessários.

Prós e contras de morar na Europa

  • Sim, nem tudo são flores. Você ficará longe da sua família, amigos e todos que conhece e gosta. Estará longe das referências que sempre fizeram parte da sua vida. As diferenças culturais serão sentidas e dependendo do destino, pode não ser muito fácil interagir com locais e fazer amigos. O idioma pode dificultar na hora de fazer amizade, estudar ou encontrar trabalho. 
  • Em boa parte dos países europeus, o inverno faz-se sentir de forma bastante rigorosa e a sua saúde pode se ressentir também. Principalmente nos primeiros tempos e até ter cadastro no sistema de saúde local, tenha um seguro saúde. A saúde pública nos países europeus é, em geral, de boa qualidade, mas nem sempre é 100% gratuita. É preciso pagar taxas moderadoras.
  • A diferença nos hábitos alimentares e mesmo no que encontra à venda nos supermercados fará diferença na sua vida. Novas marcas vão entrar na sua lista de compras e novos hábitos de consumo também. 
  • Se você vai trabalhar na Europa, logo que se instalar procure entender como funcionam os impostos, declaração de renda e legislação trabalhista. Ao contrário do que se pensa, paga-se altos impostos na Europa, podendo passar dos 30% do salário em alguns países.
  • Habitue-se a fazer você mesmo as tarefas domésticas e a andar a pé e de transporte público, caso não esteja habituado a isto no Brasil. No entanto, em geral, vai encontrar ônibus e metrôes de melhor qualidade e mais pontuais. 
  • Você terá muito mais segurança e tranquilidade em qualquer capital da Europa do que você teria na menor cidade do Brasil. A facilidade para viajar e conjuga com preços de passagens low cost, o que pode ser bastante positivo. No entanto, prepare o bolso para visitar os familiares no Brasil. 
  • O cigarro é uma coisa muito comum na Europa, todos fumam, inclusive em lugares fechados.
  • Morar na Europa em 2017 pode ser uma escolha muito interessante. Se você tiver a oportunidade de ir estudar, trabalhar ou os dois, não deixe-a passar.

O velho continente é impressionante em tantos aspectos que só conhecendo para entender. Onde você gostaria de morar na Europa em 2017? Deixe suas dúvidas, dicas ou sugestões nos comentários.

Continuar a ler

Na Web

você pode gostar também

Comentários

Loading...