6 dicas para fazer boas compras na Black Friday

Faltam poucos dias e você está ansioso para aproveitar inúmeros descontos. Confira as dicas do Procon para fazer boas compras na Black Friday.

Está chegando o momento de pegar o dinheiro guardado e fazer boas compras na Black Friday. Apesar de o evento ser conhecido pelas inúmeras fraudes, como falsas promoções, empresas fantasmas e dificuldades em receber o produto, existem diversas dicas para se sair bem no próximo dia 24.

7 coisas que você precisa checar antes de comprar na Black Friday

Como fazer boas compras na Black Friday

Anualmente, a Fundação Procon se coloca à disposição da população para orientar, monitorar e registrar reclamações, garantindo que o consumidor “possa se beneficiar das vantagens reais desse dia de promoções” e consiga fazer boas compras na Black Friday.

A Black Friday tem início a zero hora dia 24 de novembro, última sexta-feira do mês. Então aproveite os dias de antecedência e comece agora mesmo a seguir as dicas de compra divulgadas pela campanha do Procon de São Paulo.

1. Planeje-se

A maioria dos consumidores encara a Black Friday como um dia de sorte. Chegando lá, analisam o que está em promoção e, se alguma coisa agradar, vão e compram. No entanto, o Procon recomenda que se tenha um planejamento prévio sobre quais produtos você realmente está querendo comprar.

Uma TV? Um celular novo? Móveis novos para a cozinha? Anote tudo em uma lista e estipule um limite de gastos para não estourar o orçamento.

2. Monitore os preços

Para não cair na “Black Fraude”, antes da data comece a monitorar os preços daquilo que deseja comprar. Anote a data da pesquisa, o site e os valores encontrados, sempre encontrando uma maneira de registrar tudo isso – tire uma foto da tela, guarde folhetos, e-mails, tudo o que lhe servir como prova.

Tomando essas precauções antes da data tornará mais fácil identificar as melhores ofertas e os descontos reais durante a Black Friday.

3. Cuidado com sites estrangeiros

Apesar de muitos sites brasileiros utilizarem somente o “.com” no domínio, pense duas vezes antes de comprar em portais sem “.br” no final. Isso não coloca em questionamento a credibilidade deles, mas no caso de compras internacionais, podem haver custos adicionais nas transações, nem sempre informados.

Além disso, é importante saber que as regras do Código do Consumidor não se aplicam nesses casos, se o portal não possuir um escritório ou representantes no Brasil.

4. Compre sempre em páginas oficiais

É bastante comum nessa época do ano ter um infinidade de anúncios divulgados nas redes sociais ou enviados por e-mail ao consumidor. No entanto, se você nunca forneceu seu endereço eletrônico para a empresa, ou o link que clicou te direcionou para uma página duvidosa, feche e reporte a ocorrência ao Procon, ligando 151 ou procurando uma unidade em sua cidade.

Apesar da proposta de preços baixos, desconfie caso o preço esteja destoando muito de seus concorrentes. Para te ajudar a fazer boas compras na Black Friday, o Procon disponibiliza uma lista de sites não recomendados para fazer compras online. Você pode acessar a relação na íntegra, clicando aqui.

Procon divulga a lista de sites que devem ser evitados na Black Friday

5. Fique de olho na reputação do vendedor

Apesar de regularizado, isso não quer dizer que o site que você escolheu fazer a compra irá resolver todos os seus problemas, caso algum venha a ocorrer. Antes de escolher por alguma loja, confira a reputação da mesma. Ano passado, o Procon também realizou um levantamento com as empresas mais reclamadas durante a Black Friday, e você pode dar uma olhada clicando aqui.

Olho vivo também em lojas que estampam ofertas de outros fornecedores sob preços e condições diferentes para um mesmo produto. Nestes casos, o revendedor deve sempre deixar em destaque na página de venda o nome do fornecedor, para que o consumidor possa escolher com quem irá fechar a compra.

6. Confira a política de troca

Por lei, o consumidor tem 7 dias a partir da data de compra ou de entrega feita a distância (internet ou telefone) para poder “se arrepender”. Assim, o comprador pode fazer o cancelamento, devolver o produto e pedir o reembolso. Não é preciso apresentar nenhum motivo para isso.

Entretanto, recomenda-se que o consumidor verifique antecipadamente como funciona a política de troca da empresa, para que não haja imprevistos e insatisfações.

Continuar a ler

Na Web

você pode gostar também

Comentários

Loading...