Julio Benck
Julio Benck
19 jan, 2017 - 18:18
depreciação de moto

Modelos e marcas que mais sofrem depreciação de motos

Julio Benck

As motos que mais desvalorizaram ao longo do ano passado são uma má pedida na hora da compra. Aprenda a fazer o cálculo de depreciação de motos e oriente-se.

O artigo continua após o anúncio

Como todo veículo motorizado, as motocicletas também se desvalorizam a partir do momento em que deixam de ser zero quilômetro. A depreciação de motos, diferentemente da de carros, é um pouco maior depois de um ano, sofrendo perda de 25% do seu valor de mercado, enquanto carros de passeio desvalorizam 20%.

A Instrução Normativa SRF nº 162, de 31/12/1998 é que determina o percentual, assim como outras da Receita Federal, visando corrigir valores de mercado para efeito do cálculo do imposto de renda. Portanto, antes de comprar uma moto, procure se informar sobre sua taxa de depreciação. Se estiver abaixo de 25% é um valor aceitável; acima disso, é melhor não comprar.

Como calcular taxa de depreciação de motos

A Receita Federal estipula normas bem específicas para calcular a depreciação sofrida por bens móveis e imóveis. Dessa forma, a entidade tenta prever condições que podem fazer com que um bem se desvalorize, em face de circunstâncias bem características. A depreciação de motos, por exemplo, leva em conta o ambiente em que o veículo é usado, rural ou urbano, a frequência de uso e outros indicadores.

Antes de mais nada, para calcular a depreciação de motos, é necessário escolher um guia de depreciação. Na tabela MACRS, usada como guia, constam valores para diversos tipos de bens, inclusive motocicletas. Depois, é preciso optar pelo sistema de depreciação, o geral ou o alternativo. Para escolher, será necessário considerar a forma com que a moto é utilizada, se para uso na cidade ou no campo, se é de uso comercial ou mesmo fora do Brasil.

Definido o sistema, será preciso estabelecer a classe de propriedade à qual a moto pertence. No sistema geral de propriedade da Receita Federal, constam nove tipos, com expectativas de vida útil de até 25 anos. Grande parte das motos fica na categoria de propriedades com vida útil de 5 anos.

Agora você deverá estabelecer a vida útil da moto, contando a partir da data em que ela saiu da concessionária. Use o período de propriedade e o período de reparação para deduzir a depreciação de moto de acordo com a tabela MACRS. Essas informações deverão ser utilizadas para saber que tipo de dedução podem ser feitas na hora de declarar o imposto de renda.

Burgman

Foto: Burgman, divulgação Suzuki

Chegando ao real valor de depreciação

Feito esse passo a passo, é hora de identificar o subsídio de depreciação tendo como referência a tabela MACRS. Com os dados sobre a classificação, vida útil da moto e o período de depreciação (pode ser trimestral, anual ou mensal), localize a tabela adequada do MACRS no apêndice da Publicação 946 da Receita Federal.

Ranking das motos mais vendidas no Brasil

O artigo continua após o anúncio

No lado esquerdo, há uma coluna em que o período de tempo a ser considerado está listado, e numa fila acima, o período de reparação. Depois, é só identificar o subsídio de depreciação para o tempo de vida em questão, contado sempre a partir do ano de fabricação da moto.

Pode parecer uma forma de calcular muito complexa, mas é a maneira mais precisa de se chegar ao real valor de depreciação de moto. Embora tenha como finalidade o cálculo para dedução fiscal, ele pode e deve ser aplicado para efeito de compra ou venda de motocicletas.

A tabela completa com percentuais de depreciação estipulados pela Receita Federal pode ser acessado pela internet através do site da Fazenda do Rio de Janeiro.

Os modelos e marcas com maior depreciação

  • Dafra Kansas 250 – 42 %
  • Dafra Speed 150 -41 %
  • Dafra Kansas 150 – 38,5 %
  • Sundown Future 125 – 37,1 %
  • Sundown Max SED 125 – 36,5 %
  • Sundown Max 125 SE -34,8 %
  • Suzuki Intruder 125 -33,3 %
  • Kasinski Win 110 – 32 %
  • Dafra Laser 150 – 31 %
  • Suzuki Burgman AN 125 – 30,3 %
  • Kasinski Mirage Dual Tone 250 EFI – 30,2 %
  • Kasinski Seta 150 – 30 %
  • Sundown Hunter 100 – 30 %
  • Dafra Super 100 – 28,9 %
  • Kasinski Comet GT R 250 EFI – 28,7 %

Entre as 15 motos com maior depreciação, temos a classificação por marca:

  • Dafra: 5
  • Sundown: 4
  • Suzuki: 2
  • Kasinski: 4
(fonte: Autoinforme)