Elisabete Machado
Elisabete Machado
15 nov, 2017 - 10:33
carta de recomendação

Como deve ser feita uma carta de recomendação

Elisabete Machado

Veja como deve ser feita uma carta de recomendação, para quem ela deve ser solicitada e como ela ajuda o profissional no momento da contratação.

O artigo continua após o anúncio

A busca por um novo emprego e uma boa colocação profissional tem se tornado uma tarefa árdua. Não basta somente ter um bom currículo e boas qualificações, os setores de recursos humanos também valorizam outros quesitos, e uma boa carta de recomendação, escrita por um profissional de credibilidade pode fazer a diferença na hora de validar as informações apresentadas no currículo.

Algumas empresas solicitam o envio de uma carta de recomendação junto com o currículo, mas não é regra. As cartas de recomendação são muito mais usadas para solicitação de bolsas de estudos, aceite em candidaturas para programas de investigação, intercâmbio, depois de uma experiência de estágio ou trainee. Mas nada lhe impede de anexar espontaneamente uma carta de recomendação com um nome de peso assinando e legitimando a sua qualificação.

Por que enviar uma carta de recomendação

Mais do que a capacitação e habilitação profissional, a carta de recomendação pode revelar características positivas e desejáveis no candidato para a contratação, como inteligência emocional, capacidade de trabalho em equipe, gestão de conflitos e de tempo, etc., e acaba sendo também filtro para selecionar pessoas com possuem características as quais a empresa busca.

A carta de recomendação pode ser um trunfo importante para comprovar as habilidades e capacidades do profissional, sendo legitimada por alguém com credibilidade na área, pois normalmente é escrito por um profissional numa posição hierárquica superior dentro da organização em que o candidato atuou.

A quem pedir a carta de recomendação?

A carta de recomendação pode ser feita por um diretor, chefe imediato, gerente, coordenador, professor, orientador acadêmico, e até mesmo pelo departamento pessoal. É um documento em que se atesta as qualidades profissionais e ao mesmo tempo recomenda o profissional para próximas vagas.

Para atestar as qualificações, a carta deve conter quais funções e atividades o candidato desenvolveu no período em que trabalhou na empresa, além de ressaltar os pontos fortes, algumas realizações profissionais e quais foram os destaques que podem servir como qualificação para a vaga que almeja.

O que deve conter a carta de recomendação?

A carta de recomendação deve conter os dados de quem escreveu, tais como: o nome, o cargo, telefone. Sempre ao final de todo o texto deverá ter a assinatura escrita de próprio punho.

Diferente de um currículo vitae e uma carta de apresentação, documentos também solicitados para um processo de seleção, a carta de recomendação nem sempre é solicitada, mas é sempre bom tê-la em mãos como um algo a mais para se destacar perante aos outros concorrentes.

O artigo continua após o anúncio

Cuidado com as informações falsas!

Em muitos casos, a empresa que solicita esse documento irá verificar se todas as informações contidas são de fato verdadeiras. Por isso, nunca “invente” uma recomendação, uma carta de recomendação falsa pode prejudicar a sua imagem em um processo seletivo.

Essa carta deve ser escrita em uma linguagem formal e sem gírias, com uma fonte simples do word, em tamanho 12. Deve-se evitar frases sublinhadas, itálico e negrito. É recomendado utilizar sempre um papel de cor branca.

Compartilhar Twittar Pin Email WhatsApp